domingo, abril 24

#entaoboradecolar com o Decola! LAB - Luíza Melo

A Rafa Cappai compartilha conhecimento com quem quer decolar suas ideias para transformar paixão em negócio, através do youtube, site, livro e pelo curso Decola! LAB. O mais bacana é que a Rafa disponibilizou um pouquinho do curso para todos e lançou uma promoção para concorrer a bolsas para o Decola! LAB.
Eu estou participando e torcendo para ser uma das que irá decolar nessa experiência incrível! Você pode ajudar dando um like no meu vídeo nesse link aqui.

Agora, por trás das câmeras: Eu acordei cedinho, organizei o quarto para a gravação, conferi se tinha pilha na máquina, deixei outro par carregando por via das dúvidas, chamei minha tia para ser o cameraman e fui buscar o meu priminho.
Quando meu priminho chegou, eu falei para ele: Vi você fica aqui na mesa e a Lú vai terminar de organizar umas coisas para gravar um vídeo, tá bom? Dai notei que ele estava lendo o livro! Ah gente eu acho tão bonitinho ver criança lendo! Ele leu o livro do Planeta18  duas vezes e adorou as partes interativas do livro. Depois da gravação, minha tia foi embora e o Vi ficou desenhando, estou apaixonada por essa versão linda do X, olha só:

Essa foi um pouquinho da minha experiência de gravar um vídeo para o Decola! LAB.

quinta-feira, abril 14

AVENTURAS: ACERVO EM TRANSFORMAÇÃO NO MASP

Faz um tempinho que não visito o MASP por isso, não tinha visto as obras nos cavaletes de cristal de Lina Bo Bardi, como nas terças tem entrada gratuita, aproveitamos para conhecer! Estão expostos 119 obras provenientes de diversas coleções do museu, abrangendo um arco temporal que vai do século 4 a.C. a 2008.
Antes de ir ao MASP, eu estava me perguntando se retirar as pinturas da parede e expor em cavaletes faria de fato alguma diferença para o publico, e tenho que admitir, faz sim! Esse gesto permite você apreciar as obras de uma forma mais livre, você pode se encantar por alguma e só depois descobrir a quem pertence, ou então, olhar uma e perceber de cara pelos traços e pinceladas que ela é de determinado autor, daí você vai conferir no verso da obra e descobre que acertou! Outro detalhe é que atrás dos quadros tem vários selos de lugares onde estiveram expostos, era como se fosse o passaporte da obra. Muito legal!

Para registrar o momento tiramos selfies com o quadro que mais gostamos da exposição: eu com o Monet, Pi com Renoir, X com Léger e F com Van Gogh.

domingo, abril 10

AVENTURAS: MONDRIAN E O MOVIMENTO DE STIJL NO CCBB

Eu e os pequenos, Pi, X e F partimos para uma aventura de final de semana com destino a São Paulo. Encontramos amigos e visitamos algumas exposições, uma delas no CCBB.
Confesso que eu só conhecia um quadro do Mondrian, por esse motivo foi irresistível essa visita. Gosto tanto das salas de vídeos que tem no CCBB, pois elas permitem você aprender a apreciar o que esta vendo.

Um dos vídeos era como se fosse uma linha do tempo, mostrando as obras mais importantes do Mondrian e sua evolução como pintor. O outro era sobre sua vida e sua contribuição para a sociedade e por último, um vídeo  que contava sobre o movimento De Stijl (O Estilo) da qual ele fazia parte, iniciado como revista em 1917 por artistas, designers e arquitetos da época, em busca da harmonia universal de todas as artes.
Para você ter uma ideia minha avó nasceu em 1926 e o design Gerrit Rietveld, criou a Cadeira Vermelha Azul em 1917 e a casa Rietveld Schröder em Utrecht 1924. Eu achei isso incrível! O movimento De Stijl rompeu com os padrões da época, criando coisas que até hoje são consideradas modernas e ousadas.
Teve também, um momento fofo! No dia estava tento visita de escolas e tinha uma menininha, de uns 6 anos, que ficou olhando pra mim e para os pequenos que estavam na bolsa um tempão. No seu rosto um ar curioso, sabe? Até pensei em contar para ela a história do Planeta18 e perguntar se aceitaria levar os pequenos para uma aventura, mas como tinha mais crianças, não foi possível.
Outro ponto positivo da exposição eram as partes interativas: uma cadeira gigante, uma tela para você criar e outra para tirar foto dentro do quadro. Além dos ricos detalhes, como os painéis e os bancos, deu até para fazer uma intervenção artística com o X. 
Depois, da exposição, fomos até a Casa Mathilda, uma doceria portuguesa que fica ali pertinho e saboreamos um delícioso pastel de nata e travesseiro de Sintra. Tão bons quanto os da minha memória de Portugal.